19/02/2017 às 22:42

Sonhar não custa nada?

6
4min de leitura

Será mesmo que sonhar não custa nada? Hoje eu tive a certeza que, mesmo cantando essa música há tempos, discordo dessa estrofe. Entendo seu sentido na obra de Dudu Nobre para sua Mocidade, mas o sentimento que mais me dominou hoje foi a surpresa. Acaso eu não estivesse alí, continuaria iludido. Acontece que todas as pessoas, motivações e expressões que me surpreenderam nesse dia provam que um sonho custa pacas!

Você pode sonhar com super-heróis... eles estavam lá na Praça da Savassi nesse domingo.

Você pode acreditar em fadas, rainhas e princesas... e veria uma delas em um dos palcos do carnaval de Belo Horizonte.

Você pode ter a força de um escudo ou a raça de um craque... e esses exemplares estavam lá em abundância, sorrindo pra Deus e o mundo!

Porém, você não pode duvidar do sonho de uma mulher. Seja o primeiro deles, de ser uma menina feliz...

Seja o sonho de ser mãe: a maior graça que Deus concedeu a um ser humano!


Nada segura um sonho. E paralelo a toda beleza desse sonhar está o trabalho, árduo, incrivelmente extenso, demasiadamente longo, duro, desgastante e por que não dizer ousado! Aliás, ousadia é uma das palavras que explicam a minha surpresa de hoje. Há seis anos, um novo carnaval nascia na capital mineira. Logo em seguida, nascia uma charanga formada apenas por mães. A Charanga das Padês, para mim, é uma linda ousadia. Na contramão de muitas apostas, essas mulheres se apresentam para milhares de foliões em um charmoso quarteirão fechado, em uma das regiões mais nobres de BH: a Savassi. Meu Deus, que ideia genial! E por que não dizer revolucionária? Trata-se de espaço conquistado, de público fidelizado, de corações abastecidos de uma energia sem igual. O que vi hoje, o que fotografei hoje, é a minha surpresa! Talvez seja a sua, que lê esse texto e foi pela primeira vez no bloco Padecendo no Paraíso, dentro do carnaval oficial de Belo Horizonte, edição 2017. Talvez seu espanto positivo tenha sido até maior que o meu. Então aí vão algumas imagens pra representar a minha surpresa:

Sim, mais de três mil pessoas estavam lá, sou capaz de apostar.

Filhos nos ombros, samba nos pés, a procura de um espaço no meio da multidão.

No palco, um balé de encher os olhos. Mães atrizes, mães músicas, mães deusas!!!

Com uma impressionante raça pra bater mais forte um instrumento pesado e difícil de domar.

Dezenas de sorrisos soltos ao tempo, como esse.

Horas de batuque, ritmado, contagiante.

Uma bandeira em punho, em nome de tantas bandeiras que precisamos - e elas estão - defender - defendendo!

A seu lado, mestres e puxadores concentrados em tornar o espetáculo ainda mais inesquecível, sem roubar o destaque das padecentes, figuras que passo a entender como mitológicas em um contexto estranho, porém real, da nossa atual sociedade. Pois lá vai, que tal venerarmos pessoas de verdade como mitos de carne e osso, capazes de transformar seus dias corridos e anseios partidos, suas maternidades e famílias em som, frequencia, alternância e diálogo de vozes e barulhos, numa mágica chamada carnaval?! Não exagere: apenas reconheça. O que essas mulheres fizeram hoje foi quase inacreditável.

E como andei para aumentar minha surpresa, percebi um grande reconhecimento de seus companheiros de vida. Como se eu ouvisse de alguns deles: "elas chegaram lá! elas conseguiram!" Meu amigo, se isso não é sonho realizado, nada mais sei da vida. E se isso não foi difícil pra caramba, meu próprio trabalho é uma ilusão. Mas sigo acreditando que não, pois algumas cenas comprovam que há maridos assumindo papéis fundamentais, criando seus filhos e filhas JUNTO de suas mulheres. É assim aqui em casa, é também a minha bandeira. Eu estou junto com elas!!!

Parabéns, gente. Todas, todos. Parabéns. É mais que o mínimo a se dizer, é grande pra caramba esse meu aplauso...

Festa é vida, alegria é uma energia do bem que invade e toma alguém até então indo ao encontro da tristeza e muda seu rumo. Do nada. Sem maiores explicações.

Vibrem, meninas, pois vocês merecem.

Essa união é linda com força.

E que toda a luta empreendida para a Charanga das Padês 2017 recarregue vocês com ainda mais garra para os desafios do dia a dia. Em suas carreiras, em suas casas, em seus corações maternos especiais. Em suas crenças e descrenças. Erros e acertos. Pulos e derrapadas. Sempre esteja com suas consciências a força do nobre, a coragem da liberdade e o afeto da igualdade.

Um beijo nos seus corações guerreiros!

Para conhecer as Charangueiras no Instagram: https://www.instagram.com/charangueiras/

Sergio Luiz Castro, slc

19 Fev 2017

Sonhar não custa nada?

Comentar
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Copiar URL
Logo do Whatsapp